Início Notícias Corporativas Arie Halpern: a internet 5G vai mudar vidas?

Arie Halpern: a internet 5G vai mudar vidas?

Publicidade

A internet móvel em padrão de velocidade 5G tem potencial para elevar uma métrica central para a transmissão de dados: a latência. O tempo para a transmissão de um pacote determinado de dados varia de 60 a 98 milissegundos com o atual 4G. Em 5G, o trabalho poderá ser concluído, dependendo das condições, em até menos de 1 milissegundo.

O ganho de velocidade na transmissão de dados – que pode ser de até 100 vezes – já está ao alcance dos habitantes de algumas cidades brasileiras. No cronograma traçado para a expansão dessa nova rede, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) postergou de 31 de julho para o dia 29 de setembro de 2022 o prazo para a disponibilidade do 5G em todas as capitais do país.

A expansão para todo o país, que está programada para dezembro de 2029, também depende de aprimoramentos de infraestrutura de telecomunicações e da garantia de disponibilidade de energia elétrica suficiente para alimentar os novos sistemas.

Estima-se que a elevação no consumo de energia pela nova rede poderá ser de até 3,5 vezes. Além disso, com maior velocidade e estabilidade das conexões, novos negócios e tecnologias disruptivas surgirão por meios digitais, o que significa uma maior demanda por energia, ao passo que será cada vez mais natural que empresas contem com seus próprios data centers.

Mas o que se está perdendo ou deixando de ganhar com eventual atraso na expansão do 5G?

Existem vantagens e possibilidades das tecnologias de Internet das coisas (IoT).

Apesar da crise internacional na cadeia produtiva de chips e semicondutores, decorrente da pandemia de Covid-19, cada vez mais todo e qualquer produto – entre bens duráveis e de consumo – tem tecnologia embarcada para se comunicar com aplicativos e realizar as tarefas de modo mais inteligente.

IoT

Carros autômatos, rastreamento de frotas de veículos, automação industrial, monitoramento de segurança, casas inteligentes etc… São projetados ganhos coletivos com o filão de tecnologias dedicadas às cidades inteligentes (smart cities), com o uso de sistemas que poderão oferecer melhor coordenação de modais de transporte, sinalização inteligente e coleta de informações relevantes para uma melhor administração das cidades.

O 5G, aliado à análise de dados e internet das coisas (IoT), também promete novas maneiras de personalizar os exames de diagnóstico clínico, reduzindo visitas hospitalares e custos médicos.

Atualmente, graças ao 5G, especialmente nos Estados Unidos e na Europa, o mercado de Testes no ponto de atendimento (Point-of-care testing – POCT) está dando passos significativos nas técnicas de monitoramento de glicose e insulina no sangue de pacientes diabéticos, elevando a qualidade de vida dessas pessoas a patamares inimagináveis.

É esse tipo de evolução da qualidade de vida – e muito mais – que está em jogo. Não se pode imaginar que maior velocidade de transmissão de dados e melhor qualidade de conexão são luxo ou meros detalhes.

INSCREVA-SE E FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS NOVIDADES, SORTEIOS E PROMOÇÕES

Invalid email address
Prometemos não enviar spam para você.  Pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.
Publicidade
Artigo anteriorEspecialista avalia marketplace próprio como complexo, mas rentável
Próximo artigoCadastro Positivo beneficiou 22 milhões de brasileiros com acesso ao crédito