Notícias Corporativas

Governo cria hedge cambial para investidores estrangeiros

O Governo Federal anunciou a criação do programa Eco Invest Brasil, uma ferramenta de hedge cambial, focada em oferecer proteção para os investimentos estrangeiros em projetos sustentáveis no país. A ideia é atrair aportes para o Brasil com o argumento da proteção da moeda.

Isso porque a previsão do Banco Central, por meio do Boletim Focus, é que o dólar encerre o ano no patamar de R$ 5,30. Nos dois primeiros meses de 2024, a moeda americana ficou abaixo dos R$ 5 e em abril atingiu R$ 5,19, maior patamar desde março de 2023. Todas as estimativas de evolução ou queda do câmbio mudam frequentemente, uma vez que a taxa é composta por variáveis como evolução da economia, decisões políticas e acontecimentos globais. Como é difícil de prever, e acertar, como o câmbio se comporta nos próximos meses, é fundamental contar com ferramentas de proteção, que podem viabilizar negócios e abrir portas para investidores.

Segundo nota do Ministério da Fazenda, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) vai atuar como intermediário na contratação de um banco internacional que oferecerá o seguro cambial no Brasil. Caberá ao Banco Central fazer a ponte com os investidores dos projetos ecológicos no país. O Ministério afirmou que, diante da volatilidade do real, o custo da proteção cambial para prazos mais longos é tão alto que inviabiliza investimentos ecológicos em moeda estrangeira, por isso a importância do novo instrumento.

É justamente essa oscilação cambial, que aumenta custos e reduz ganhos, que está presente no dia a dia de quem realiza operações internacionais. A ferramenta, criada para proteger as empresas das flutuações do câmbio, oferece a possibilidade de fixar as cotações futuras e ajuda a reduzir o risco cambial de uma forma eficiente e segura, além de diminuir os custos operacionais.

Há três tipos de possibilidades na hora de contratar o hedge cambial: trava de câmbio, NDF (non-deliverable forward) e opção de câmbio. Para decidir qual a melhor estratégia, é importante conhecer as diferenças e contar com uma assessoria especializada. Bruno Foresti, diretor do Ouribank, diz que não existe um padrão pronto, nem quantia mínima para buscar o hedge cambial. “Nós ajudamos cada cliente a decidir quanto do montante ele quer proteger e encontramos a melhor opção para cada tipo de negócio. A ideia é que o cliente possa focar na essência de sua operação, em vender seus produtos, e nós cuidamos da taxa cambial”, diz.

INSCREVA-SE E FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS NOVIDADES, SORTEIOS E PROMOÇÕES

Invalid email address
Prometemos não enviar spam para você.  Pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos. A publicidade é uma fonte importante de financiamento de nosso conteúdo. Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.