Início noticias-corporativas Administradoras buscam formas para reduzir taxa de inadimplência em condomínios

Administradoras buscam formas para reduzir taxa de inadimplência em condomínios

Publicidade

São Paulo – SP 3/8/2021 – Nossa inadimplência era de 45%, mas após várias campanhas e até ações de cobrança posso afirmar com sorriso no rosto que no mês de julho zeramos a inadimplência

Condomínios sentiram o impacto financeiro da crise causada pela pandemia e para driblar esses problemas, síndicos e administradoras de condomínios estão buscando alternativas para diminuir as taxas de inadimplência.

Com a pandemia, síndicos e administradoras de condomínios sentiram o impacto do aumento da taxa de inadimplência. Segundo o Censo 2021 realizado pelo Portal SíndicoNet, 20,5% dos entrevistados relataram dificuldades ao lidar com a inadimplência.

O comércio e a indústria sofreram com o desemprego, a redução salarial e consequentemente a redução do orçamento familiar, que causaram um impacto financeiro que refletiu no aumento da inadimplência das taxas condominiais.

Diante deste cenário, surgem dúvidas dos moradores que buscam alternativas com o condomínio para fugir da inadimplência, o que levanta questionamentos sobre a isenção dessas taxas.

Afinal, condomínios podem isentar o pagamento das taxas condominiais?

Mesmo em uma situação delicada como essa, é recomendado que síndicos e administradoras não concedam descontos ou isentem o pagamento da taxa condominial. Segundo o Art. 1.336 do Código Civil, é dever de cada condômino contribuir para as despesas do condomínio nas devidas proporções, exceto se previamente acordado em convenção condominial. 

Uma vez que condomínios não visam lucro e as taxas condominiais cumprem o papel de arcar com as despesas necessárias para o devido funcionamento e manutenção, os gestores não possuem recursos para isentar os moradores. Por isso, eles buscam ferramentas para auxiliar na gestão e facilitar a cobrança.

Tecnologias auxiliam síndicos e administradoras a driblar a inadimplência

Conforme o Censo 2021 do SíndicoNet, o número de condomínios que aderiram ao uso de tecnologias vem crescendo. Estes aplicativos auxiliam a driblar a inadimplência através da automação financeira que atua na redução de custos do condomínio, uma vez que possibilitam a redução de tarifas bancárias, entre outras taxas. 

Igor Oliveira, sócio de uma Administradora na Bahia, afirma que a redução dos custos com tarifas bancárias chegou a 82,1% após a implementação de um sistema para condomínios. “Antes de utilizar o sistema, minha administradora gastava cerca de R$ 1.265 com tarifas bancárias mensalmente, agora pagamos uma média de R$ 210 mensais.”

Outro fator importante, é a funcionalidade da régua de cobrança automática, que envia lembretes recorrentes e estratégicos aos condôminos. Segundo Clarie de Jesus, síndica de um condomínio em Francisco Morato – São Paulo, a tecnologia automatiza os processos de cobrança e facilita na gestão: “Aqui no condomínio utilizamos um sistema de gestão e antes disso a nossa inadimplência era de 45%, mas após várias campanhas e até ações de cobrança, posso afirmar com sorriso no rosto que no mês de julho zeramos a inadimplência.”

Há sistemas, inclusive, que atuam em todas as etapas da gestão de condomínio. O uCondo, por exemplo, auxilia síndicos administradoras desde 2015, quando a startup foi criada. Hoje, colabora com a organização de cerca de 2.400 condomínios e mais de 150 mil moradores pelo Brasil.

Mais informações sobre o sistema de gestão condominial em: https://www.ucondo.com.br/

Website: https://www.ucondo.com.br/

INSCREVA-SE E FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS NOVIDADES, SORTEIOS E PROMOÇÕES

Invalid email address
Prometemos não enviar spam para você.  Pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.
Publicidade
Artigo anteriorSicoob UniCentro Br apresenta novas linhas de crédito
Próximo artigoAndersen Global se expande para Porto Rico com firma de advocacia baseada em San Juan

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui