Início Brasília Projeto de Lei do deputado Hermeto garante acolhimento a mulheres com doença...

Projeto de Lei do deputado Hermeto garante acolhimento a mulheres com doença gestacional

Publicidade

Neoplasia Trofoblástica Gestacional é uma patologia rara, mas que acomete mulheres e é importante uma atenção especial

A Neoplasia Trofoblástica Gestacional (NTG), apesar de rara, pode acontecer na gravidez. Ocorre quando a mulher aparentemente engravida, mas ao fazer o ultrassom não se observa a presença de feto.

Assim, o que existe no útero são flocos de neve, o que pode levar ou não a um sangramento, pois o útero está inchado, os ovários aumentados e a mulher sente muita dor abdominal, além de vômito, em decorrência da grande elevação do Beta HCG.

De modo resumido, essa doença é o câncer da placenta e a conduta é esvaziar o útero, mediante curetagem ou aspiração, que após o procedimento, caso detectado que o útero não diminuiu, será necessário tratamento de quimioterapia, que só pode ser interrompido quando o Beta HCG chegar a zero.

A taxa de cura é alta, podendo chegar a 98% nos casos em que são descobertas precocemente.

Entendendo que é uma patologia que castiga, o deputado distrital Hermeto (MDB), propôs o Projeto de Lei nº 2774/2022, que dispõe sobre a implantação do Programa de Apoio às mulheres com NTG – Neoplasia Trofoblástica Gestacional no Distrito Federal.

“É importante que a gente observe com carinho todas as situações, e eu entendo que nem sempre a gravidez é fácil e quero proporcionar sempre o melhor acompanhamento para as mulheres que vivem essa situação delicada”, pontua Hermeto.

O objetivo é apoiar, orientar, tratar, reabilitar e reintegrar pacientes e ex-pacientes acometidas pela NTG, além de garantir o tratamento quimioterápico e cirúrgico das pacientes acometidas com a enfermidade, prestar amparo psicológico e social às pacientes quando necessário, promover a realização de exames periódicos de ultrassonografia, dopplerfluxometria, dosagem de HCG, exame histopatológico, raio-X dos pulmões, histeroscopia, laparoscopia, tomografia computadorizada e ressonância magnética, entre outros, com a finalidade de controle ou prevenção da doença.

Estimular a criação de grupos de apoio, formados por pacientes voluntários com a finalidade de orientar, ajudar e dar amparo às mulheres portadoras da doença nas fases pré-operatória, pós-operatória e pré-quimioterápica e estimular campanhas de divulgação da doença, seus sintomas e formas de tratamento especializado são outros ideais do projeto, que estão estabelecidos no Art. 3º. A proposta visa atendimento nos hospitais e maternidades da rede pública de saúde.

Ana Clara Nunes se sente acolhida pela ideia. “Minha filha, que hoje tem 30 anos, passou por esse problema, foi uma pancada para toda a família e perceber que existe um olhar atencioso para essa questão, que traz tristeza, aquece o coração”, relata.

Contato: 61-3348-8110
Câmara Legislativa do Distrito Federal
Gabinete 11, 3° andar

INSCREVA-SE E FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS NOVIDADES, SORTEIOS E PROMOÇÕES

Invalid email address
Prometemos não enviar spam para você.  Pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.
Publicidade
Artigo anteriorEspaço da Fotografia promove encontro para mulheres empreendedoras em SP
Próximo artigoDesafios profissionais exigem cada vez mais das pessoas

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui